26 January 2007

Desaparecida no blog

Tenho andado desaparecida estas terras de blog, mas depois de algumas solicitacoes la me decidi a escrever alguma coisa que me passa pela alma!
Perguntam voces "porque nao escreves? porque demoraste tanto tempo?" e a resposta e' que ainda nao estava preparada para escrever pois quando comeco a escrever por vezes o "filtro" nao funciona e voces nao gostam do que escrevo pois nesta coisas do blog sou muito transparente, ate demais!
Por isso demorei a escrever para dar tempo ate ter algumas semanas de distancia das ferias do Natal (que foram tudo menos ferias) .
O Natal foi cumprido, mais uma vez cansativo e pela primeira vez nesta vida de expatriada estava desejosa de me vir embora para casa (Inglaterra, voces acreditam!?) Pois e'... por mais que goste de ver toda a gente queria vir-me embora!!
Passaram tres anos e quer no's queiramos quer nao somos animais de habitos. E a minha pequena familia habituou-se a funcionar numa vida muito pacata sem ter reunioes familiares aos fins de semana, quando ha festas de anos so uma das criancas vai (a que foi convidada) e termos dois convites seguidos no mesmo fim de semana e' coisa que pura e simplesmente nunca aconteceu!
Ora bem, chega o Natal e .... Caos!!! Para alem do frenesim que e' o Natal, temos um, dois e por vezes tres programas no mesmo dia, as criancas a deitarem-se tarde, a acordarem tarde, todos os dias a andar de um lado para o outro, a V. e M.A. a quererem brincar e sem terem tempo para tal! A V. dizia-me "I want my home!! I want to play in my room!"
Nao esta em questao o quanto nos gostamos de ver toda a gente, e acho que percebem isso, mas de facto chegamos tao cansados a casa que todos os anos pensamos que temos que fazer alguma coisa, assim nao pode continuar!
Enfim... ja passou e relendo o texto espero nao ter ofendido ninguem com os meus pensamentos! Ja estou a ver o meu Pai entrestecido a ler estas linhas mas a vida e' assim mesmo. Fazemos um enorme esforco por manter umas fortes raizes familiares, para que os nossos filhos nao tenham duvidas de onde sao e onde pertencem. E eles sao uns previligiados por terem ainda tantos Avos, Tios, primos e amigos que veem sempre que vamos ai!
BOM ANO NOVO PARA TODOS!!

9 comments:

CUNHADO said...

Olá cunhada desaparecida, mas graças a Deus reencontrada, no blog!

Pois é, começo por dizer que seja o que for que queiras dizer, e da maneira que queiras dizer, por mim podes, e deves, SEMPRE escrever no teu blog, porque gostamos MUITO do que escreves. O IMPORTANTE É SABERMOS NOTÍCIAS VOSSAS.

Quero também dizer que COMPREENDO esse teu (vosso) sentimento, e que tenho muita pena que a vossa vinda no Natal seja de facto a correria que é. Acredita que todos nós achamos que é uma violência, não só para as crianças, mas para ti e para o D.

No entanto, também não posso deixar de dizer (e se calhar esta é a parte egoísta) que o NATAL NÃO SERIA O MESMO SEM VOCÊS!!!! Pois é, é QUE A VIDA NÃO É A MESMA SEM VOCÊS!!!

MAS, o que penso é que as coisas têm de ser vistas à luz do MOMENTO ACTUAL, e não generalizar para o futuro. Os teus filhos são ainda pequenos, uma deslocação vossa obriga sempre a transportar uma tralharia imensa, e, do lado cá de casa, infelizmente, não podemos dar muita ajuda. Mas as coisas mudarão. Por isso acho que não vale a pena pensar que VAI SER SEMPRE ASSIM. É que as contrariedades da vida tem de ser contornadas, não nos podemos deixar vencer por elas.

Mas há também uma solução MUITO BOA:

REGRESSEM AO VOSSO PAÍS!!!!

Só peço, se é que posso pedir alguma coisa, que NUNCA DEIXEM DE MOSTRAR AOS VOSSOS FILHOS AS SUAS ORIGENS, NEM QUE VOCÊS (TU E O D.) AS PERCAM! Ter família e amigos é um DOM espectacular, que hoje em dia começa a escassear. Há até mesmo quem queira ter família e amigos e não consegue/pode.

É que agora podes achar que é melhor proteger os teus filhos das canseiras, das correrias, etc. Mas e depois? Achas que eles vão viver sempre assim pela vida fora? E quando se depararem com um problema? Saberão ultrapassá-lo?

Mas é lógico que isso não significa "martirizá-los". Acho bem que REVEJAM a forma com decorrem as vossas viagens, MAS NÃO ACHO QUE A SOLUÇÃO PASSE POR AS DEIXAREM DE FAZER.

FORA os exageros, MAS VIVA A REALIDADE!!!!!!!!!!!!

Olha, e com esta me vou.

MUITOSSSSSSSSSSSSS beijinhos para TI, D., C., A., V., e M.A.

Joana said...

Espero que tenha ficado claro que o ir a Portugal no Natal nao esta em questao! E' claro que sempre iremos, como poderia eu priva-los do previlegio que e' fazer o presepio na R. e representar uma pequena peca junto da familia, ir a S. e a E. e brincar com todos os primos. Ter 4 Natais!! para eles e' um tempo que tenho a certeza que ficara nas suas memorias de infancia! Fiquem descansados que se alguma coisa mudar nao e' de certeza o deixar de ir "a' terra"!

ITC2 said...

Olá
fazes muito bem ex-mib (missing in blog).

Entrando no reino da utopia ou talvez não, e se o Natal e tua terra acopolada (croquetes incluidos) dicidir ao jeito da montanha ir a Maomé.

Seria sem dúvida uma experiência inesquecível, todos metidos num charter e literalmente acampados à cigana em gc.

Talvez até se arranjasse um subsídio do Min. Neg. Estrangeiros e da Cultura, ou até da Associação das familias numerosas .... eu bem tento, mas é difícil largar a subsídio-dependência.

Beijinhos para todos, em especial à C, ao A, à V e à MA, para ti e para o D (no futuro CAVMAJD).

Tucha said...

Pois é as férias são um “stress”... se curtas, anda-se numa roda viva para chegar a todo o lado, se compridas surgem as saudades do nosso cantinho...E’ assim e sempre foi.
Como conhesses bem o teu pai... claro que ficou de orelha murcha ao ler o teu desabafo.
Não ha’ duvida que tens uma costela Belchior, uma pequena dificuldade em quebrar rotinas, a nostalgia da “minha casinha” da “minha cama” do “meu canto”. Por outro lado vejo também que dás relevo ‘as coisas positivas. E e’ isso mesmo que tem que ser, pois as outras são para esquecer.
Quero salientar o facto de vocês serem uns privilegiados: teem possibilidade de virem ate’ ca’ 3x ao ano, teem uma casa a’ vossa disposicao com tudo tratadinho a’ vossa espera, pois a “fada madrinha M” lembra-se de todos os pormenores e mais algum ate' das botijinhas na cama... Relativamente ao stress do dia a dia em tempo de fe’rias e’ preciso combate-lo ou seja ter calma, planear fazendo uma boa gestão do tempo, terem tempo para saírem os dois, claro que me ofereço para ficar com os 4 na R ou em L.etc, etc.tudo tem solucao
Concluindo, em todo o momento e’ preciso planear e organizar para evitar o STRESS e ter capacidade para enfrentar o imprevisto sem dramatismos.
Ate breve!

gonçalo said...

Ola Joana junto envio uma historia simples de gente simples retirada do blogue eusoulouco.bloguespot.com

"O velho Joaquim vivia só na sua
pequena e velha casa do bairro pobre.
A mulher morrera, já fizera três anos.
Os filhos tinham seguido a sua trajectória na vida e estavam longe.
Reformado cedo por invalidez, vivia de uma pensão que mal dava para comer e comprar alguns remédios. Valia-lhe algum dinheiro que os dois rapazes lhe mandavam de vez em quando e a ajuda de alguns vizinhos, também pobres materialmente mas ricos de sentimentos.
Estava frio nessa véspera de Natal.
Mais um que iria passar somente na companhia das memórias de outros que foram bem mais alegres e das dores reumáticas que o atormentavam quasi em permanência.
Comeria uma sopa requentada, um pão com margarina, uma maçã já meia podre, beberia um trago de um tinto carrascão e depois iria para a cama com uma dor no peito que o vinha apoquentando nos últimos tempos. Ainda nada dissera ao médico do Centro de Saúde. E iria mais uma vez chorar a tristeza de ser velho e só.
Estava sentado no sofá sujo e roto quando bateram à porta.
Disse, tão alto quanto podia:
- Entre!
E a porta rangeu enquanto se abria devagarinho: era a vizinha Matilde, que também vivia em solidão, pois ficara sem um filho nas obras já há bastantes anos e sem o seu homem, muito recentemente.
- Posso, Sr. Joaquim?
- Entra Matilde, entra!
Ela aproximou-se do ancião e estendeu-lhe uma marmita amolgada pelo uso:
- Tem aqui um pedacito de um naco de peru que me foram levar a casa. Lembrei-me de lho trazer. Está quentinho.
- Muito obrigado! Entra e senta-te um bocadinho.
- Não posso demorar muito porque deixei o lume aceso.
- Estás a cozinhar? – perguntou o idoso.
- Estou! Este pedaço de peru saiu agora do forno.
- E vais passar a noite sozinha?
- Pois! Não tenho ninguém.
- E não queres vir fazer-me companhia? Comemos aqui os dois, conversamos e depois vamos dormir.
Ela pensou um pouco e depois retorquiu:
- Acho boa ideia! Então vou acabar de cozinhar e venho até cá com a comida.
- Eu podia ir a tua casa, mas tenho dores...
- Não se preocupe, Sr. Joaquim. Eu venho fazer-lhe companhia e assim também não me sinto tão solitária.
- Mas tu tens televisão e aqui não podes ver nada. Eu só tenho este velho rádio.
- Prefiro a companhia de uma pessoa que a da televisão. Então até já!
E a mulher saiu.
Pouco depois de ela voltar com uma cesta razoavelmente farta, começaram a comer e foram conversando.
Já perto da meia-noite disse ele:
- Matilde! Estou com frio. Vou-me deitar. Queres vir para a cama comigo? Assim ficamos os dois mais quentinhos.
Ela não contava com aquela proposta, mas não demorou muito a responder:
- Está bem, Sr. Joaquim! Agora vou arrumar a loiça e dar uma limpadela.
- Eu espero por ti!
E não tardou muito que ambos estivessem na cama, bem agasalhados, conversando até que o velho adormeceu.
Manhã cedo a mulher acordou e levantou-se como era seu hábito.
O homem estava quieto.
A luz do sol bateu-lhe no rosto sereno mas lívido de morte.
A Matilde tocou-lhe e sentiu-o frio e inerte como um pedaço de mármore"
António Castilho Dias

Manela said...

Olaré "desaparecida no blog"
De facto já estava "apreensiva" com esta ausência...pensei mesmo que devias estar a por "as ideias" em ordem depois das actividades natalicias, que tive agora a certeza que foram enriquecedoras e claro está, cansativas! Se assim não tivesse sido é que estavamos mal!!!Um grande bem hajas!B&A para CAVMAJD dos SMFMA (temos que evitar que nos identifiquem...)

Joana said...

Gostava muito que o itc2 me desse uma pista pois nao faco ideia de quem seja! e ainda por cima esta a candidatar-se a um natal em GC! Tambem nao estou assim tao mal!!!

Anonymous said...

Olá J!!´O Natal em terras lusas é realmente um correria para vocês, mas são só 2 semanas num ano, em que vocês dão uma alegria imensa a todos os que visitam. O Natal sem a familia completa não é o mesmo, veja-se o que aconteceu este ano e no ano anterior, e é realmente (talvez por inércia nossa)a única altura em todo o ANO! que nos reunimos. E assim me despeço, e começa já a preparar um tempinho a 2 (um jantar, uma visista, um cinema qq coisa) quando te for visitar, não te preocupes que ficamos com todos. beijinhos a TODOS da MCM e do B, D e M

future ex-urban moving to Fontanelas said...

pistas:
itc podia ser traduzido em BUBIL.
2 podia ser "mais novo" ou benjamin
bjs para os BFS´s CAVMAJD